domingo, 21 de março de 2010



Deus,
eu faço parte do teu gado:
esse que confinas em sonho e paixão
e às vezes em terrível liberdade.
Sou, como todos, marcada neste flanco
pelo susto da beleza, pelo terror da perda
e pela funda chaga dessa arte
em que pretendo segurar o mundo.
No fundo,
Deus,
eu faço parte da manada
que corre para o impossível,
vasto povo desencontrado
a quem tanges, ignoras
ou contornas
com teu olhar absorto.
Deus,
eu faço parte do teu gado
estranhamente humano,
marcado para correr, amar, morrer
querendo colo, explicação, perdão
e permanência.


Lya Luft

4 comentários:

Lis. disse...

O sonho

Sonhe com aquilo que você quer ser,
porque você possui apenas uma vida
e nela só se tem uma chance
de fazer aquilo que quer.

Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz.

As pessoas mais felizes não tem as melhores coisas.
Elas sabem fazer o melhor das oportunidades
que aparecem em seus caminhos.

A felicidade aparece para aqueles que choram.
Para aqueles que se machucam
Para aqueles que buscam e tentam sempre.
E para aqueles que reconhecem
a importância das pessoas que passaram por suas vidas.

Clarice Lispector.


Bom início de semana!

Sônia Silvino disse...

Ah... a Lya Luft é demais! Foi minha professora na faculdade!
Bjkas, muuuitas!

El Drac disse...

Qué profundidad de tu poema que tienes visos filosóficos amiga, de verdad que es un lujo leerlo y precisamente hoy 21 de Marzo día de la poesía.

REGGINA MOON disse...

Maria querida,

Que lindo esse poema de Lya...é perfeito, comovente e forte!
Adorei...parabéns!

Tenha uma ótima semana minha amiga!

Beijos meus,

Reggina Moon