sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

CARNAVAL EM VENEZA


No crepúsculo de Veneza
derramaste uma lágrima
como um rio abrindo um fio
no teu rosto maravilhado
de Colombina


Não cheguei a tempo
de usar uma gôndola vaga
para colhê-la com mesura
e juntá-la nos meus olhos
ao meu choro silencioso
de Pierrot


Uma orquestra de cordas
iluminava a Praça de São Marcos
quando sopraste uma promessa
inaudível
nos meus ouvidos ocupados
embevecidos com uma sonata
de Chopin


Quando dei por mim
encontrava-me só
junto à água verde-jade
descobrindo pelo frio
como anunciavam a tua ausência
os raios solares da manhã


Ao longe ouviam-se pombas
a rolhar sobre os telhados
e uma voz bradava
clamando com apelos apaixonados
por um desconhecido
chamado Arlequim


José António Gonçalves

3 comentários:

REGGINA MOON disse...

Maria...seus Blogs estão simplesmente lindos!!Algo que faz bem ver, os poemas e as imagens perfeitas!!Parabéns pelo cuidado e carinho que faz esse trabalho!

Beijos!!!!

Reggina Moon

PÔESIA DO MUNDO disse...

Maria:

Amiga Querida:

Venho lhe Agradecer o Sèu Carinho e Amizade sempre constante e lhe desejar um Maravilhoso Fim de Semana.

Que seu Carnaval seja repelecto de Pàz e Muita Alegria

Com Carinho um Abraço Meu


Antònio Manuel

reltih disse...

no, pero esto lo sentí muy triste.
besos