quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Garimpar poético


Não esqueças, amada:
A poesia, como o oxigênio,
Está em toda parte.
- É só captá-la
Nas cores, nos sons
E no ritmo constante
Da vida circunjacente.
Não sejamos rígidos
Ao moldar o amálgama
Dos nossos desejos.
Concretiza o abstrato
Com a alquimia da doçura
Na medida certa.


João de Souza Machado

6 comentários:

Elcio disse...

Na medida exata.
Nem mais nem menos.

Gostei.

É isso aí.

Bjs

Verluci Almeida disse...

Maria... Boa Noite!

Recebi de Antonio José a incumbência de analisar
Sites e Blogs para conceder-lhes o Sêlo do PORTAL
ANTONIO POETA.

É o PRÊMIO FIDALGUIA.

Vim visitar seu BLOG e gostei muito.

O Prêmio Fidalguia foi elaborado para brindar
Blogs com conteúdo e beleza como o seu.

Um abraço com toda minha admiração
por suas belíssimas poesias!

PARABÉNS!

Envie-me seu email para que eu possa
enviar-lhe o código do Sêlo, ok?

o meu é verluci@netsite.com.br

Obrigada!

Verluci Almeida

Memória de Elefante disse...

Gostei!
Um poema com versos banhados em ternura...


Abraço

Sonia Schmorantz disse...

Outra linda escolha! Parabéns!
beijos

Angeles disse...

Toda pareja necesita ese toque de alquimia de locura, es el gran ingrediente y también para la vida.
beijos:)

Maria L. Bózoli disse...

Verluci, agradeço o Premio Fidalguia.To super feliz com isso..
Obrigada de coração. Beijosssssss