sexta-feira, 2 de outubro de 2009

FLOR


A flor aberta no teu rosto
abre na noite árida e surda
uma paisagem de águas frescas,
de tinhorões, avencas, murtas,
ovelhas límpidas e músicas;
na vida velha, de sol posto,
mortos jardins e faces secas
faz circular seu vinho nítido,
que lábios e astros embebeda
com seu clarão de um gosto híbrido,
entre raio e luz e fruto,
pungente mel, beijada seta.
Eu quero a espada de um minuto
do teu espinho, ó flor aberta.


(Abgar Renault)

4 comentários:

Isabel disse...

La flor se abrió en su cara
se abre en la noche estéril y sorda
un paisaje fresco del agua,

¡¡¡PRECIOSO POEMA¡¡¡

Gracias Marí@ por compartirlo

Besitos, Isabel

Malu disse...

Obrigada Isabel pela visita

Bom dia...........M@ria

Retalhos de Amor disse...

Campos vastos
Para o meu coração
Tuas floradas de Poesia
Onde amo caminhar...
Emoções!!!

Obrigada pelas leituras
Maravilhosas!!!

Linda fim de semana pra ti, viu!!!
Iza

Manu disse...

Olá Maria!

Tu, a flor mais bela do meu jardim
perfumas a vida que agora respiro
o teu néctar é balsamo para mim
é apenas por ti flor que suspiro

Olha eu aqui também! AHAHAHAHAHA. Beijos