segunda-feira, 15 de março de 2010

Ser Poeta


Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!
É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!
É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!
E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!


Florbela Espanca

10 comentários:

reltih disse...

escrito muy sensible, como su titulo.
besos

Glória Müller disse...

Ah Maria... eu também amo assim, mas não sou a única dona de mim.
Mas, sou dona dos meus sentimentos e, estes, eu os enfeito com laços de cetim.
Nossa, tão lindo o que ela escreveu.

Bjos
Glória

Δέσποινα Γιαννάκου disse...

Maria ,sorrir forçadamente doce do hélio de mim para você

EDUARDO POISL disse...

Lindo poema como sempre.
Abraços

Amapola disse...

Bom dia.
Lindo poema!

Um grande abraço.

Henrique Rodrigues Soares disse...

Maria venha participar de nossa festa de 1 ano do blog 'Nossa poesia de cada dia' e pegar o Sêlo comemorativo.
Bjs!

Maria disse...

Amiga, adoro esse poema da Florbela Espanca. excelente escolha.
bjs
Maria

Amapola disse...

Passando para lhe desejar um bom fim de semana.

Um grande abraço.

Cláudio J. Gontijo disse...

Maria, boa tarde!


Sou um Professor,com formação em Biologia e Química, que busca a divulgação do Verde Vida. Postamos imagens ricas e textos simples, dedicados à causa ambiental/humanística. Visite-nos e opine, quando puder.

Sua página é sensível e generosa.


Felicidades em sua jornada!

EDUARDO POISL disse...

Estou ficando preocupado com você.
Esta tudo bem com você???
Espero que sim.

Abraços de saudades