quarta-feira, 10 de março de 2010

Rimo e rimos


Passarinho parnasiano,
nunca rimo tanto como faz.
Rimo logo ando com quando,
mirando menos com mais.
Rimo, rimo, miras, rimos,
como se todos rimássemos,
como se todos nós ríssemos,
se amar fosse fácil.
Perguntarem por que rimo tanto,
responder que rima é coisa rara.
O raro, rarefeitamente, pára,
como pára, sem raiva, qualquer canto.
Rimar é parar, parar para ver e escutar
remexer lá no fundo do búzio
aquele murmúrio inconcluso,
Pompéia, idéia, Vesúvio,
o mar que só fala do amor.
Vida, coisa pra ser dita,
como é dita esse fado que me mata.
Mal o digo e já meu dito se conflita
com toda a cisma que, maldita, me maltrata.

Paulo Leminski

4 comentários:

stella disse...

Che belliiiiiiiiiii!
Sono stupendi!

Maria disse...

Adorei o poema
bjs
Maria

Amapola disse...

Bom dia.
O poema é lindo, mas a foto dos pássaros é um show!

Um grande abraço.

Pizarro disse...

Precioso poema muy bonito.
Saludo y abazos.