sábado, 16 de janeiro de 2010

ROSA NEGRA


negra rosa
rosa rara
meiga
exótica
mimosa
mutação
genética
lapidada
com esmêro
africana
torneada
espelho
insana.

diamante negro
jóia vegetal
seiva bendita
aroma de alcaçuz
breu brilhante
do roseiral.
pura arte
súdita do jardim
suspenso;
suspense,
treme
tremula,
ao vento
ferido,
por espinhos,
vizinhos,
caule delgado,
explendor rosáceo,
salve rainha.
incrustada no meu peito.
seu leito,
de vida,
viva
vicia
meu olhar!...


gustavo drummond

5 comentários:

Maria disse...

LINDO...

A ROSA E O POEMA.


TENHA UM BOM FIM DE SEMANA.


:)) DOCE ABRAÇO

REGGINA MOON disse...

Maria querida,


Lindo poema de Gustavo, ótima escolha!!

Um grande beijo e bom Domingo!

Reggina Moon

Manu disse...

Olá Maria!

Rosa negra, amor de Rosa
nem teus espinhos me ferem
podia escrever-te em prosa
é poesia qu'eles preferem

Beijos

Amizade disse...

O Farol está em festa. É o seu 1º Aniversário.

Teríamos muito gosto que lá passasses para confraternizar connosco e recolher o selinho.

Beijinhos

http://nuestramizade.blogspot.com

O Profeta disse...

O troar do trovão, esta incessante chuva
As estrelas choram todas as mágoas na terra
Onde param os Anjos, porque não nos acodem os Santos
O mal e o bem porfiam esta eterna guerra

As casas do sul ruiram todas
Tal como a esperança desesperada
Toquei no rosto de uma criança triste
Senti uma paz surgir do nada


Mágico beijo