sábado, 17 de outubro de 2009

SONETO EM DOR MAIOR


O amor que eu me desejo, tem cheiro de alvorada,
tem cor de lua cheia, nas brisas de jasmim...
Amor que me incendeia nos sons da madrugada
e tece com estrelas, os sonhos que há em mim.

O amor que eu tanto espero, tem boca apaixonada,
seu coração galopa por meu começo e fim;
me entrega seus silêncios, su’alma desnudada...
É beija-flor imerso, na flor do meu jardim!

O amor dos meus cantares, de rimas passionais,
é puro qual o orvalho, tão vasto quanto o mar,
não anda por atalhos, seu rumo é só me amar.

Que venha em vôo breve, dos céus dos imortais,
e então a vida eu sinta, com todo o seu ardor...
E olvide a Dor Maior, que jurei, fosse o amor!


- Patricia Neme –

6 comentários:

Úrsula Avner disse...

Oi Maria, um encanto de soneto que expressa sensibilidade poética e delicadeza na escrita. Obrigada por seguir meu blog. Um abraço com carinho.

Glória Müller disse...

Ai, Meu Deusss... que coisa mais Linnda, Linnda, Linnda!!!
Poético demais, romântico até não caber mais. Quanta leveza e delicadeza.
Estou, minha amiga, Maria...

*EN-CAN-TA-DA*

BeijinIooos
Glória

Flavia Oliveira disse...

Passando pra retribuir a visita e ver o que há de novo...
bjs!

Angeles disse...

Y qué lindo suen en portugués!! me encanta.
Beijos:)

Angeles disse...

suena quise decir...

MEMORIA DE ELEFANTE disse...

Bonito poema...ah!O Amor que venha sempre para inundar e preencher a vida.

Um Beijo