domingo, 18 de outubro de 2009

MARIA-ESTRELA


O rancho no pé-da-serra,
O engenho, o Riacho e o pomar;
O cafezal verdejante,
Na terra vermelha a florar:
Morava ali um caboclo,
Bastante feliz por amar,
A meiga e linda Maria,
Que, um dia,
Com ele subiu ao Altar.

E ele, às tardes, sentava,
Bem rente a um pé de jasmim,
E ali, com a sua viola,
À ela cantava assim:

" Maria! Não existe outra Maria,
Igual a você, entre as Marias,
Neste mundo de meu Deus...
Maria! Seu sorriso me embriaga,
E o luar até se apaga,
Ante a luz dos olhos seus."

Mas, certo dia, Maria
Doente ficou, foi com Deus:
E hoje o caboclo olhando pro céu,
Pergunta às estrelas que vê:
"Qual de Vocês é Maria?
Maria, que estrela é você?
Desça do Espaço sem fim,
Para ouvir os meus versos assim:"

"Maria! Não encontro outra Maria,
Igual a você, entre as Marias,
Neste mundo de meu Deus...
Por isso, quando o sol vier raiar,
Ele é que vai se apagar,
Nas águas dos prantos meus."


Sá de Freitas

2 comentários:

Pizarro disse...

Bello relato, saludos.

Maria L. Bózoli disse...

Pizarro,

Agradecendo sua visita e te desejando uma bela e abençoada noite......Beijos meus!