quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Pelo horizonte de areias


Pelo horizonte de areias,
 reclina-se a voz do canto.
 A moça diz muito longe:
 "Eu sou a rosa do campo..."

 O beduíno para e escuta,
 vestido de pensamento,
 sozinho entre as margens de ouro
 do ar e do deserto imenso.

 "Eu sou a rosa do campo..."
 E olhando para as ovelhas
 sente o chão verde e macio
 e flores pelas areias.

 "Eu sou a rosa do campo..."
 Mas tudo o que ouve e está vendo,
 é poeira, apenas, que voa:
 o vento da voz ao vento.


Cecília Meireles

2 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

Escolher Cecília Meireles, é acertar sempre! O poema é lindo!
beijo

Maria L. Bózoli disse...

BOM FDS SONIA!
Vote no TOP30 e volte sempre

Amo sua visita.....Beijos!