quarta-feira, 30 de setembro de 2009

O Amor no Éter


Há dentro de mim uma paisagem
entre meio-dia e duas horas da tarde.
Aves pernaltas, os bicos
mergulhados na água,
entram e vão neste lugar de memória,
uma lagoa rasa com caniço na margem.
Habito nele, quando os desejos do corpo,
a metafísica, exclamam:
como és bonito!
Quero escrever-te até encontrar
onde segregas tanto sentimento.
Pensas em mim, teu meio-riso secreto
atravessa mar e montanha,
me sobressalta em arrepios,
o amor sobre o natural.
O corpo é leve como a alma,
os minerais voam como borboletas.
Tudo deste lugar
entre meio-dia e duas horas da tarde.


¬ Adelia Prado ¬

3 comentários:

Pizarro disse...

Preciosa poesia.
Gracias por seguirme, yo tambien te seguire tienes un blog lleno de ternura.

Adolfo Payés disse...

Bello blog tienes me gusto mucho..

Un abrazo con mis
Saludos fraternos de siempre..

Que tengas un buen fin de semana...

Maria L. Bózoli disse...

Agradeço vossa visita.......Voltem sempre!

Bom dia........M@ria