segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Abelhas do Asfalto


Em todo canto há uma esperança
Em todo verde há um louva-a-deus
Em cada hino há um pedido
Em cada pedido há um farol...

Pena não ser luz que conduz
Navegantes, é luz rubra que
Para as pessoas pra verem o
Futuro vendendo balas...

"Adoce a vida em troca
De alguns trocados!"

Essa é a promessa feita
Pelas pequenas abelhas
Operárias, que vendem
O mel do sustento...

Muitas tiram pra os grãos
Outras tiram pra pedra...

Foi-se o tempo que craque
Era quem fazia muitos gols!

O que fazer se o Planalto,
Da plana cidade não faz?

Só temos que parar e ficar
Vendo o futuro vendendo balas
Pra quem passa pela via negra!


Pergentino Júnior

3 comentários:

Tétis disse...

Um belíssimo poema, uma linda maneira de comemorar este dia da Independência do Brasil.

Como portuguesa estou com você e com todos os amigos do país-irmão.

Beijinhos

Maria L. Bózoli disse...

Agradeço o carinho de nossos amigos-irmãos portugueses.

E a voce em especial Tétis.


Beijo na alma de voces!!!!!!

Ana Oliver disse...

Maria, é tanta desigualdade existentes em nosso país, que fico desacreditada.
Nosso país é lindo, mas muito deixa a desejar...
Parabéns para todos nós brasileiros!

Beijos.